delicicadezas-do-amor-amor-cinema-frances-franca-paris-filme

Uma imagem vale mais que mil palavras, uma ação mais que um milhão de poemas de amor. De que adiantam versos, se eles não vem acompanhados de atitudes, certo? Mas eu não posso cobrar os outros mais do que cobro a mim mesmo, posso?

Anyways, também de que adianta refletir demais? Melhor me distrair e escolher um bom filme para voltar a acreditar que existem sim príncipes encantados.  Eu adoro filmes franceses, então resolvi clicar neste no Netflix: Delicadezas do amor. Como o título já denuncia é um filme delicado, gostoso de assistir. Daqueles de tarde de domingo com o amor, assim como a banda mais bonita da cidade do último post.

O filme, estreia do escritor  francês David Foenkinos como cineasta, é baseado em seu livro “A Delicadeza” . Na trama a atriz Audrey Tautou (a mesma do maravilhoso O fabuloso destino de Amélie Poluain) interpreta Nathalie, uma mulher linda, com um bom trabalho e um marido maravilhoso. O casamento deles parece de sonho, eles se entendem por olhares, planejam juntos, são feitos um para o outro. Mas a vida nunca é tão perfeita assim e seu marido morre em um trágico acidente. Sem rumo, ela passa os dias no escritório, focada no trabalho. Até que, um dia, sem motivo aparente, ela beija um dos funcionários que trabalham com ela. Um sueco alto, desajeitado, meio careca, sem graça, chamado Markus, que fica sonhando acordado com a bela após aquele beijo.

Markus vai atrás de Nathalie, em busca do desenvolvimento do romance, mas a garota não parece muito interessada. Mas, ela decide lhe dar uma chance e eles vão jantar em um chinês, o jantar transcorre sem percalços, ele flui, como a conversa, ele a faz rir e se sentir leve. Mas, como fazemos quando sentimos que algo muito bom pode acontecer, ele foge após o jantar.

Dessa vez, é Nathalie que vai atrás daquele sueco desajeitado e, assim como a trilha sonora nos envolve, os dois, que vão se envolvendo mais e mais,  dia a dia. As narrações em off nos deixam saber sobre o que os dois estão pensando e você se vê apaixonado por eles e torcendo para aquele simplório romance dar certo.

A cena mais bonita do filme acontecesse no jardim da casa da vó de Nathalie, onde ela cresceu. Markus nos dá sua encantadora visão sobre como ela andava por aqueles jardins, sobre o que ela pensava, e finalmente, o recomeço, a cena presente, no qual os dois brincam de um esconde-esconde maravilhoso entre rosas e arvores.  Esta cena ilustra bem a essência do filme, os dois tão diferentes, ela tão delicada e ele tão desengonçado, mas os dois se encontram, reconhecendo que o amor não tem formas e que as vezes só queremos ter alguém para nos abraçar durante o inverno ou comemorar vitórias ao lado, sem complicações, sem extremos.

O filme termina com uma linda frase, declarada pelo Markus durante o esconde-esconde:  “…foi no coração de todas essas Nathalies, que eu resolvi me esconder…”., uma frase que qualquer mulher adoraria ouvir. Mas, do que adiantam palavras sem ações?

Bom, tá aqui o trailer, para você se apaixonar junto comigo:

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s